Como melhorar sua história antes de encontrar um beta

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Por: Gabriela Petusk 
(Team Liga dos Betas)


Olá, queridos! Vocês já devem estar cansados de me ver... Bem, espero que não. Ainda vou aparecer muito. Adoro escrever posts, assim como o formato de tópicos, e é com esse molde que este aqui vai sair.

Algumas vezes não damos sorte na vida, real ou virtual. Se você, autor, escreve em uma categoria pouco popular, sobre uma obra muito recente ou não consegue contato de ninguém, pode estar sem um leitor beta por enquanto. Eu mesma passei boa parte da vida escrevendo sozinha. Isso não quer dizer que é impossível crescer sendo solitário; claro que ter um beta para te aconselhar é ótimo, mas existem coisas que você pode aprender por conta. As dicas contidas aqui também podem servir caso você já tenha um beta e queira mandar para ele ou ela um texto mais limpo. Convenhamos, ele/a não comenta sua história à toa e quer ver seu desenvolvimento. Enviar um capítulo escrito de qualquer jeito e só recebê-lo arrumado não é uma atitude legal.


Aqui vamos nós!


***

Nos bastidores 1: Anote e salve sempre as ideias que tiver

Caderno, agenda, ponta de folha, guardanapo, celular, palma da mão. Rascunhos podem render bons frutos, mesmo que escritos de forma livre, amadora até. Registrar para não esquecer é um segredo antigo que pode se tornar um hábito de ouro. Só tenha o cuidado de rascunhar num formato ou linguagem que você entenda depois. É uma anotação boba, mas você vai ter que decifrá-la na hora do “vamos ver”. Já ouvi várias histórias de gente que rabiscou ideias excelentes antes de dormir e viu hieróglifos no papel ao acordar.


Nos bastidores 2: Planejar faz bem e não é tão difícil

Deixar de planejar pode provocar uma onda de furos e partes mal explicadas. Esteja você escrevendo um conto, uma história curta ou longa, um esquema vai ajudar. Apaixonada por tópicos que sou (tão práticos e organizados ♥), gosto de colocar os acontecimentos do enredo em ordem assim. Uma linha do tempo também pode ajudar. Fichas de personagens, listas de possíveis nomes para lugares, o que mais for necessário. Tudo salvo e guardado, é claro.



Na hora da escrita 1: Não custa repetir: corretor ortográfico não morde

Ele está aí como sempre esteve. Mesmo escritores mais experientes cometem erros, e esta maravilhosa ferramenta vive a postos para dar uma mão. Fique atento, pois alguns erros não são detectados pelo corretor, como uma palavra que existe tanto com quanto sem acento ("manga" e "mangá", por exemplo). Para isso, uma leitura atenta e consulta a um dicionário vão resolver.



Na hora da escrita 2: Pontuação é importante, não a ignore

Vírgulas, pontos e parágrafos são responsáveis pelo ritmo de uma história. Frases muito longas podem ficar confusas e muito curtas dão impressão de uma cena pausada, lenta, a não ser que essa seja a intenção. Uma dica para saber qual é a medida certa é ler o trecho em voz alta e prestar atenção na pausa, na entonação, no tom... Sinta-se o narrador fazendo isso, é demais.


Na hora da escrita 3: Vocabulário faz diferença, sim

Repetição de palavras é uma das coisas mais irritantes em um texto. Apesar disso, não existem sinônimos perfeitos. Um dos bons motivos para enriquecer o vocabulário é o som de cada uma: substituir essa ou aquela numa frase pode evitar uma cacofonia chata. Para completar, mesmo que duas palavras compartilhem uma definição, existem todas as outras secundárias. Algumas vezes, você pode trocar uma e conseguir uma frase melhor do que antes. Vamos ver como isso funciona. 

“Encolhido sob a marquise, o cão se escondeu da chuva.”
“Encolhido sob a marquise, o cão se escondeu da tempestade.”



Sabemos que tempestade é um tipo de chuva, isso é fato. Porém, a segunda frase dá a impressão de que está desabando água de verdade não uma chuva como qualquer outra, além de envolver raios, trovões, talvez até vento forte. Para mais explicação sobre repetir palavras, meu post histórico (só que não) pode ajudar.


Etapa de correção 1: Escrito o rascunho do capítulo, deixe-o quieto por um tempo (dois, três dias costumam bastar)

Inspiração é uma criatura com vontade própria. Vem e vai quando está a fim e não dá satisfações. Por esse motivo, quando aparece, algumas vezes chega e nos faz escrever como loucos, sem parar, no impulso mesmo. A sensação é maravilhosa, reler e se sente orgulhoso. Que escritor nunca teve um momento do tipo? Você fecha o caderno com a autoestima nas nuvens, vai dormir e sonha com o dia em que dará autógrafos para filas quilométricas.

Então, no dia seguinte, você resolve dar uma olhada e quase volta no tempo para se dar um peteleco. “Como eu fui capaz de deixar essa cratera na trama? Pior: como eu consegui adorar esse capítulo? O que eu tinha na cabeça, deuses?” Calma, meu jovem. Isso pode ser bom para você, é sério.

Aquele fogo repentino para escrever tem um efeito colateral chamado “calor do momento”. De tão motivados e cheios de ideias, eu, você e qualquer escritor no mundo ignoramos várias coisas, deixamos passar. Em um momento de calma, é bem mais fácil detectar onde você errou. Aproveite o surto de autocrítica para executar a dica seguinte.


Etapa de correção 2: Releia o capítulo depois de terminado. Releia. E releia. De novo.

Ao repassar tudo, é maior a chance de não deixar para trás alguma palavra sobrando, um erro ortográfico despercebido e qualquer coisa do tipo. Coisas nos escapam, é perfeitamente normal. Depois da segunda ou terceira releitura, o trabalho vira uma coisa mais automática, e isso não é ruim nesse caso: não é raro escrevermos “no calor do momento” e só repararmos em uma bobagem no texto depois de esfriar os ânimos. Costumo ter como mínimo o número de cinco releituras antes de considerar uma versão pronta. Uma para palavras repetidas e pontuação, coisas mais técnicas. A segunda para apagar excessos. Depois, para ver se não me esqueci de alguma coisa, os chamados buracos. A quarta serve de vistoria. A quinta é meu truque de mestre. Preparem-se para a dica abaixo.


Etapa de correção 3: Faça o teste de pensar como o leitor mais chato que você já teve

Não, eu não estou brincando. Ajuda muito, e eu vou ensinar como se faz.

Depois de feitas as primeiras correções e você considerar a primeira versão do texto pronta, arrume um jeito de acalmar os ânimos. Uma hora sem gente em casa, com um lanche delicioso do lado, roupa confortável, música boa (de preferência calma), o que mais te deixar em um estado de concentração Aí, abra seu capítulo e encarne o leitor inconveniente. Foque-se no seguinte: você, nesse exercício, é um leitor que adora aquele gênero e nunca viu aquela história na vida. Leia fazendo todas as perguntas possíveis, procurando todas as falhas, pensando se aquela personagem tem falas de acordo com a personalidade dela, se aquela cena meio sem graça foi mesmo necessária. Por fim, tente escrever um review para você mesmo dizendo tudo isso.

Pensando como esse leitor, você deve ter notado mil coisas a mais do que usando seu ponto de vista. Corrija o que tiver te desagradado. Acredite: colocar a sua história à mostra significa se sujeitar ao risco de topar com gente assim, e pessoas do tipo com certeza não vão ser só elogios. Como eu disse em um post anterior, ser crítico não justifica grosseria de nenhum tipo, coisa que eu ressalto aqui e sempre, mas postar esperando que todo mundo ame tudo não é realista.


Dica adicional 1: Procure ler histórias e livros semelhantes à sua

Comparar nem sempre é ruim. Quantas vezes já entrei em desespero por não conseguir desenvolver certa parte de uma trama minha e, como num milagre, outro escritor tinha uma cena bem parecida com aquela exata coisa? É aí que vem aquela percepção súbita: “Eu posso fazer algo do tipo!” Lembrando que a palavra aqui é inspiração, não cópia, então, adicione seu toque pessoal, faça um pouquinho diferente. 


Dica adicional 2: Amigos são para todas as horas

Caso você tenha um amigo ou amiga que conheça a obra da fanfic ou goste do gênero, que tal pedir para ele/ela ler o capítulo? Dando certo a parceria, você pode ganhar um beta, principalmente se ele/ela for do tipo sincero e tiver experiência com leitura.

***

Pessoal, o que acharam das dicas? Alguém experimentou e gostou? Digo aqui que ser seu próprio professor e se corrigir com o tempo podem ter resultados excelentes, mas nada como o olhar de outra pessoa, distante do seu ponto de vista, para notar o que você não notou. Uma combinação dos dois é melhor ainda. Boa semana a todos e que a inspiração esteja sempre com vocês!
2

Gostar ou não de um gênero: Boys Love [1/2]

quinta-feira, 20 de junho de 2013

<< Esse post é proibido para menores de 18 anos, por conter linguagem imprópria de cunho sexual.>>

Por: Leo Albyno

(Obs: Esse artigo foi dividido em duas partes. A segunda parte dele sai na seguinte quarta-feita)



Introdução:



Conhecendo os termos específicos referentes à categoria Boys Love


Boys love é um termo japonês para designar uma relação entre pessoas do mesmo sexo (homens). O relacionamento entre homens também é chamado de yaoi (no ocidente), termo bastante conhecido no mundo de fujoushis* (ou fudanshis, para homens) ou fan girls (fan boys) e é ainda alvo de preconceitos. Diga-se de passagem, é interessante ressaltar que o termo Boys Love (BL) servia para descrever paródias bizarras e doujinshis (dojins) com relações homossexuais explícitas entre dois homens. 

Pode-se dividir as relações homossexuais em animes e mangás em três categorias, a saber:


Shounen-ai (shounen = garoto; Ai = amor):


É o gênero mais leve. Subentende-se que há uma relação homoerótica entre personagens masculinos, caracterizada por declarações de amor, além de beijos e abraços "mais fortes" às vezes, beijos afetivos ou "sem querer" (situações inusitadas, à quais os personagens acabam por dar um beijo; esbarram-se ou viram-se e se dão um beijo, sem ser a reação intenção de ambos) e até mesmo aquelas cenas cortadas, que se acredita ocultar conteúdo do tipo homoerótico.

Cita-se como exemplo: Naruto.

Naruto tem um apreço absurdo por seu amigo Sasuke, acreditando que ele jamais seria capaz de fazer determinadas coisas. TODO o amadurecimento do personagem (Naruto) é originado através da busca, em trazer seu amigo de volta para casa, visto que ele (Sasuke) é obcecado por vingança e disposto a morrer por ela. Naruto sonha com o dia em que estará novamente reunido com o amigo e livre de todas essas coisas!




Yaoi (ya.ó.i):


É como o shounen-ai, só que mais quente e explícito. É caracterizado por cenas óbvias de romance entre dois homens, muitas vezes passando de carícias infantis (beijinhos no rosto, brincadeiras de agarrar etc), para perversões e cenas mais leves de sexo. 

Cita-se como exemplo: Junjou romantica.

A história gira em torno de um excêntrico escritor (Usagi-san) e o irmão de seu melhor amigo (Misaki-kun) e amor. Usagi é o tipo másculo, alto e mandão, enquanto Misaki é aquele adolescente de dezenove anos, que nunca ficou com uma garota na vida. Ele é meio escandaloso e está na flor da juventude. Misaki se vê inicialmente abusado pelo escritor, mas, no fim, acaba envolvido pela paixão, mesmo acreditando ser o substituto do próprio irmão... 



Lemon:


A categoria mais "avançada" dentre as supracitadas. Dentro do Boys Love, o lemon é marcado por cena explícita de sexo homossexual, porém, é um termo que é enfraquecido pela falta de conhecimento dos leitores. Alguns o chamam de yaoi por conta da relação homossexual também presente no outro gênero, porém é errado. Lemon se caracteriza por ser feito TUDO durante o sexo (violência, bondage, estupro etc), coisa que não se vê no gênero yaoi.

Cita-se como exemplo: Sensitive pornograph.

Sensitive pornograph é uma coleção de dois contos distintos, com cenas de sexo explícito entre homossexuais. O casal principal é formado por um escritor de nome Sono (na verdade um mangaka famoso) e Seiji, um jovem aspirante ao cargo de mangaka. Sono é um escritor promíscuo, que faz sexo com qualquer um que o peça, e conhece Seiji na entrega de um de seus trabalhos. O garoto, por sua vez, já era grande fã do escritor, mas não sabia que seu ídolo era um homem. A partir daí, bêbados, acabam fazendo sexo... E, até o final, acabam se apaixonando. 

***


No boys love é comum encontrar estereótipos (mais comuns nas categorias yaoi e lemon), cuja relação seja desenvolvida ou não durante a exibição do anime ou na leitura do mangá. Mas é importante deixar claro que sempre haverá aquele com papel "masculino", como em uma relação heterossexual, e aquele com papel "feminino". Mas como dito, é apenas um estereótipo que não é necessário ser seguido como regra, levando-se em conta que nem todo efeminado será passivo e nem todo ativo será totalmente másculo! Os personagens estereotipados, em uma relação homossexual, são chamados de seme, uke e reversible (não é comum), e são aqueles que: 


Seme: 

Basicamente será aquele a efetuar o papel masculino da relação. Geralmente criados como homens belos, altos e fortes, com características dominadoras!


Uke:

Aquele que desenvolve um papel feminino e mais frágil, ou seja, o passivo da relação. São geralmente os mais baixos e belos, além de sofrerem, muitas das vezes, com as perversões sexuais dos semes.


Reversible:

Termo pouco utilizado, que designa aqueles que podem se encaixar nos dois padrões acima. Aquele que é duvidoso até o momento em que algo é sugerido! No mundo homossexual, seriam os chamados “flex”: ou seja, poderia efetuar tanto o papel de um quanto de outro: ativo ou passivo (seme ou uke).


***

Notas: 
¹: Termo japonês a principio, difamatório, usado para referir-se a mulheres que gostam de conteúdo homossexual nos mangás ou animes. 


0

Grammar Nazi

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Por: Gabriela Petusk 
(Team Liga dos betas)


Bom dia, boa tarde ou noite. Estou de volta com o Grammar Nazi, onde arrisquei minha vida à caça de erros ortográficos *arrepio*. Apesar da demora entre um post e outro, é uma seção fixa do blog, então estejam atentos para novas “temporadas”, em falta de palavra melhor para isso.

Não vamos esquecer que continuo com os mesmos princípios de antes, como o indicado abaixo:

Entendam que, nesta seção, eu não tenho a intenção de ofender ninguém. Todos os trechos aqui foram tirados de fanfics reais, encontradas por mim no Nyah, e a identidade de nenhum autor foi exposta, nem mesmo o título. Caso a sua fanfic tenha sido usada, você conheça o autor ou até mesmo goste da história, não façam escândalo e não falem mal da minha mãe. Se possível, não se orgulhem. De preferência, levem numa boa. Melhor ainda, corrijam suas histórias ou deem um toque ao autor. O objetivo aqui é ajudar a perceber como a coisa anda realmente feia na ortografia dos autores; por isso, temos como meta ajudá-los a compreender o certo através dos erros que nós mesmos cometemos diariamente. 

Revisão moral feita, vamos começar!

Queimação de olhos: Leve



"tudo (1) aconteceu do nada não tinhamos (2) nem ideia do que estava por vim! (3)"



1: Inicie a frase com letra maiúscula. Regra mais do que básica.

2: “tinhamos” não existe. O correto é “tínhamos”.

3: “vim” não é a conjugação certa para esse caso. Estaria certo se estivesse na primeira pessoa do singular (eu), como em “Eu vim de São Paulo”. O ideal nesses casos é o infinitivo: “estar por vir”.

Como deveria ser: Tudo aconteceu do nada. Não tínhamos nem ideia do que estava por vir.



"Quem é esse muleque (1) Ruivo (2) ?! (3) Porque (4) ele é chato ? Eu to (5) sentindo uma atração por ele ? (3) Será que é esse estilo Badboy (6)? OQUE (7) TA ACONTECENDO ? (3)


1: “muleque” não existe. O correto é “moleque”.

2: Ruivo com letra maiúscula vira um substantivo próprio. Um exemplo seria “Eu tenho um gato chamado Ruivo. Venha comer, Ruivo!”, sendo esse o nome do gato. Como um adjetivo (característica do garoto de ter o cabelo ruivo), use com letra minúscula, a não ser em início de frase.

3: Um erro chato que muita gente comete. Assim é errado , sabia ? Faça assim, tá?

4: Português é uma língua que gosta de complicar um pouco nossas vidas. Existem quatro tipos de “por que”. Neste caso, meu sentido aranha instinto literário me diz que o correto é exatamente “por que”. Eu e gramática temos a mesma relação que eu e andar pela cidade: eu sei onde está tudo, mas não me pergunte nome de rua. Para informações melhores que as minhas a respeito, leiam esta Aula de Português.

5: “tô” é a forma informal e contraída de “estou”, não “to”. Prefira a forma culta ao narrar. Em diálogos, existe uma licença para a informalidade.

6: O correto é “bad boy”. Recomendo ainda que palavras estrangeiras venham em itálico: “bad boy”.

7: “o que” é separado.

Como deveria ser: Quem é esse moleque ruivo? Por que ele é chato? Eu estou sentindo uma atração por ele? Será que é esse estilo bad boy? O QUE ESTÁ ACONTECENDO?


"Já imaginou,se (1) o destino de duas crianças fossem se tornar melhores amigos e passar o resto da vida perto um do outro?Mesmo (1) sem querer e as vezes,odiando (1) essa pessoa??? (2) Pois é o caso de Elena e Damon...Damon Salvatore romantico(3),Elena (1) Gilbert casando??Mas só quando crianças pois depois se odeiam..."

1: Use sempre espaço após a vírgula, assim como eu acabei de fazer. Isso também vale para pontos finais, como eu fiz de novo.

2: Formalmente falando, o único ponto que você pode repetir é o final (.) para formar reticências (…); porém, estamos falando de literatura, onde a coisa é um pouco mais flexível. Se você quer dar ênfase num final de frase, repita só duas vezes (?? ou !!), só pela estética mesmo.

3: “romantico” não existe, o correto é “romântico”. Se não existisse o acento, a palavra seria lida em voz alta como “romantico”, o que não é nada bonito de se ouvir.

Como deveria ser: Já imaginou se o destino de duas crianças fosse se tornar melhores amigos e passar o resto da vida perto um do outro? Mesmo sem querer e, às vezes, odiando essa pessoa? Pois é o caso de Elena e Damon... Damon Salvatore romântico, Elena Gilbert se casando? Mas só quando crianças, pois depois se odeiam...


"quando (1) o Edward foi embora,deixou (2) Bella sozinha gravida (3) de uma garotinha lindinha,como (2) será a reação dele quando ve-la (4)? "



1: Maiúscula no começo da frase é pedir muito?

2: Espaço após a vírgula, por favor.

3: “gravida”, para designar uma mulher que vai ter um filho, está errado. O correto é “grávida”.

4: “ve-la” não é uma construção válida, o certo é “vê-la”. Nesse caso, ainda não seria o indicado: eu recomendaria “quando ele a vir”.

Como deveria ser: Quando Edward foi embora, deixou Bella sozinha grávida de uma garotinha lindinha. Como será a reação dele quando a vir?



"Rachel - bulimia Santana – btch (1)Quinn – adolecente (2) gravida (3)brittant (4) – bipolar"


1: O que é isso, alguém pode explicar?

2: “adolecente” não existe. O correto é “adolescente”.

3: Como eu disse antes, uma mulher que espera um bebê está “grávida”.

4: Não sou fã de Glee, mas minha memória diz que é “Brittany” o nome da menina.


Esse texto foi selecionado para o Grammar Nazi porque tinha muitos erros, mas não se baseiem nele para criar uma sinopse: ele não é uma. Eu não sei nem o que ele é, portanto, não existe meio de corrigir.


"YO MINNA (1) !!!!! (2)Aqui é Uzumaki Naruto !!! (2)Bom, aqui eu vou contar a minha história pra vocês. A história que quando a minha vida deu um revira-volta (3) daqueles.Não faz ideia do que eu estou falando ??? (2)Bom, ai você vai ter que conferir.Paz Minna (1) beeeeeeeeeeejuu (4)."



1: Esse é um assunto controverso. O uso de expressões em japonês nas fanfics de animes e mangás é frequente por alguns e desaprovado por outros. Eu não gosto e não recomendo, exceto os honoríficos “-chan”, “-san”, “-sama”, etc., quando alguma personagem em especial tem o costume de usá-los. Alguns bordões e expressões podem ser mantidos por critérios de fidelidade à personagem.

2: Excesso de exclamações e interrogações. Só duas bastam, por favor.

3: “revira-volta” não tem hífen.

4: Não precisa de tantas vogais extras, e ainda está escrito errado.


Como deveria ser: Yo, pessoal! Aqui é Uzumaki Naruto. Bom, aqui eu vou contar a minha história pra vocês. A história de quando minha vida deu uma reviravolta daquelas. Não faz ideia do que eu estou falando? Aí você vai ter que conferir.



Queimação de olhos: Média

"Um amor que atravessa obstaculos (1) para ficarem juntos!! Relacionamento com familias(1), amigos e professores! Dramas e aventuras! Uma historinha para passar o tempo e sem compromisso com fatos da atual Malhaçao(1) Quadrante! Pura fantasia!! Coisas q (2) a gente imagina muitas vezes e nao ve(1)!! Mas aqui se torna realidade!! kkk(2)! Pelo menos na nossa imaginaçao(1)!! E me digam.. Quem nao(1) se apaixonou por este casal tao(1) lindo? Brutinha pra sempre.."

1: Quantas palavras sem acento. Por que isso, gente?

2: Ah, o internetês. Ele deve ser evitado ao máximo.

Como deveria ser: Um amor que atravessa obstáculos. Relacionamento com famílias, amigos e professores. Dramas e aventuras. Uma historinha para passar o tempo e sem compromisso com fatos da atual Malhação Quadrante. Pura fantasia! Coisas que a gente imagina muitas vezes e não vê, mas aqui se tornam realidade, pelo menos na nossa imaginação. E, me digam, quem não se apaixonou por este casal tão lindo?



"Hoooy (1)!Sou Uma Garota(2) de 19 Anos(2)!Sou Nerd,Gamer,Otaku,Rocker(2) e (3) com orgulho!Vivo com mais de 4 garotas,todas adotadas (3)!Desde que Minha mãe Armeny morreu,meu(3). pai Caleb casou com minha Madrasta (2) Marisa!E (3) ela sempre me inferniza,como (3) qualquer novelinha da madrasta que fala para o garoto que odeia mãe dele,não (3) é?Enfim,minha (3) vida e quuase assim!O (3) Problema (2) e que...Não (3) sou tão meiga quanto parece!Quem (3) sou eu?Nada (3) Menos (2) que...Léo (3) Gonzaga!"


1: Por que não dizer “Oi” ou “Hey”?

2: Maiúsculas muito desnecessárias.

3: As pontuações (vírgula, ponto final, interrogação, exclamação, etc.) devem vir com espaço depois, assim como eu estou fazendo agora. Entenderam? Que bom! Estrelinha para quem faz desse jeito.


Como deveria ser: Hey! Sou uma garota de 19 anos. Sou nerd, gamer, otaku e rocker com orgulho! Vivo com mais 4 garotas, todas adotadas. Desde que minha mãe Armeny morreu, meu pai Caleb se casou com minha madrasta Marisa. E ela sempre me inferniza, como qualquer novelinha de madrasta que fala para a garota que odeia a mãe dela, não é?

Enfim, minha vida é quase assim. O problema é que... Não sou tão meiga quanto pareço. Quem sou eu? Nada menos que... Léo Gonzaga!



"AAAA (1), sou pééssima (2) com a sinopse, se fosse opcional eu nem escreveria, kkkk (1), mas vamu (3) lá né!

A história se passa em um universo alternativo onde Garp morreu, Luffy sendo menor de idade, vai morar junto de Ace, lá ele irá para um colégio novo, onde fará muitos amigooois(2) ( sinopse de bostaa kkkkk ) (4)"


1: Alguém pode explicar o que foi isso?

2: “péssima” só tem um “e”. “amigooois” não existe.

3: O correto é “vamos”, jovem autor.

4: Como leitora, eu já me afastaria dessa fanfic por isso. Admitir que a sinopse é ruim não alivia sua culpa de ela realmente ser ruim, nem faz a pessoa ler a história para ver se está melhor. Evite.


Como deveria ser: A história se passa em um universo alternativo onde Garp morreu e Luffy, sendo menor de idade, vai morar com Ace. De lá, ele irá para um colégio novo, onde fará muitos amigos.



"Fionna,Cake (1) e todos do seu mundo vieram parar na dimensão do Finn , a partir disso as lutas,aventuras,romance,mistérios (1) e comedia (2) ficaram em dobro ! (4)

Muitas novidades apareceram inclusive novos personagens como Princesa da Água,Princesa(1) da Floresta,Príncipe (1) da Areia .. E COM (3) desenhos feitos PELA EQUIPE (ótima qualidade) para sua melhor interpretação do texto !! (4)
Hora de Aventura agora em Dobro ! (4)"


1: O que eu disse sobre espaço depois de pontuação, mesmo?

2: O substantivo se escreve com acento: “comédia”.

3: Palavra em maiúsculas desnecessárias.

4: Outra maneira errada de usar a pontuação. O espaço vem depois, não antes.


Como deveria ser: Fionna, Cake e todos de seu mundo vieram parar na dimensão de Finn. A partir disso, as lutas, aventuras, romance, mistérios e comédia ficaram em dobro!

Muitas novidades apareceram, inclusive novas personagens como a Princesa da Água, Princesa da Floresta, Príncipe da areia... Com desenhos feitos pela equipe, em ótima qualidade. Hora da Aventura em dobro!


"A Conheci (1) quando tinha apenas 8 anos,o (2) nome dela era Molly.Ela (2) havia perdido os pais e veio morar comigo.No (2) inicio era apenas amizade,nunca (2) pensei que aquilo viraria amor.....ainda agora,com (2) 12 anos,não (2) consigo acreditar que,eu (2) Ciel Phantomhive, me apaixonei."



1: Não se começa frase com próclise (pronome oblíquo antes do verbo). O correto é “conheci-a”.

2: Espaço. Depois. De. Pontuação. Vou perder a paciência.


Como deveria ser: Conheci-a quando tinha apenas oito anos. O nome dela era Molly; ela havia perdido os pais e veio morar comigo. No início era apenas amizade, nunca pensei que aquilo viraria amor... Ainda agora, com doze anos, não consigo acreditar que eu, Ciel Phantomhive, me apaixonei.



"Meu nome e (1) Luz ,(2)sou uma anja da guarda ,mas não é facil (3) quanto você e (1) metade anja e (1) humana bem humana bruxa ,(2)bem a criança que eu cuido se chama Harry potter (4) , é não e (1) nada facil (3) cuidar desse menino ...nada facil,bem (2) quanto ele nasceu também nasci ,(2)mas sou diferente dos outros anjos porque sou como os anjos disse meio a meio e também porque tenho um tom (5) que os outros não tem e também sou a unica (3) menina ."


1: Esses “e” sem acento geraram uma confusão imensa. Não sei mais qual é verbo (“é”) e qual é conjunção (“e”).

2: O espaço vem depois da pontuação. Por favor.

3: “fácil” possui acento agudo no “a”; “única”, no u.

4: Nomes próprios, seja o primeiro ou sobrenome, têm letra inicial maiúscula. É Harry Potter, right?

5: Tom? Acho que não. Dicionário, preste seus serviços.

tom
(grego tónos, -ou, o que faz esticar ou pode ser esticado, corda)
s. m.
1. Cada uma das diferenças que se notam nas vozes ou nos sons.
2. Modo de falar.
3. [Figurado] Força, vigor.
4. Jaez, laia.
5. Semelhança, visos.
6. Teor, sentido.
7. Moda.
8. [Botânica] Funcho-de-porco, brinça.
9. [Música] Intervalo entre duas notas da escala, como de dó a ré, exceto de mi para fá e de si para dó.
10. Gama que se adapta para a composição de um trecho e cujo nome deriva da nota por que essa gama é começada.
11. [Pintura] Maior ou menor vigor de colorido; maior ou menor intensidade das tintas.
12. Cor predominante.



Você quis dizer dom, não foi?

dom
s. m.
1. Donativo; dádiva; benefício.
2. Prenda, talento, dote natural.
3. Título honorífico que em Portugal se dava aos membros da família real e da antiga nobreza e a certas categorias religiosas.

Como deveria ser: Meu nome é Luz. Sou um anjo da guarda, mas não é fácil quando você é meio anjo, meio humana, ou melhor, meio bruxa. Bem, a criança de quem eu cuido se chama Harry Potter.

É, não é nada fácil cuidar desse menino. Quando ele nasceu, também nasci. Sou diferente dos outros anjos, por ser híbrida e por ter um dom que os outros não têm. Também sou a única menina.




Queimação de olhos: AAAAAAARGH!


"O Dia Nunca Pode Terminar do jeito Que Nós Não Queria-mos !

Pois Se Deus Te Deu Força Par Ficar De Pé,Significa que Vc Pode Andar Muito Mas Longe e Alcançar Seus Objetivos,e Seu o Esperado Não Aconteceu é só Ter Fé,Pois no Amanhecer Vc Vai Ficar De Pé Mas Uma Vez e vai Ver Que os Seus Objetivos Ainda Podem Ser Alcançados !"



Preciso mesmo comentar sobre as maiúsculas desnecessárias e o internetês?


Como deveria ser: O dia pode nunca terminar do jeito que nós não queremos, pois se Deus te deu força para ficar de pé, significa que você pode adar muito mais longe e alcançar seus objetivos. Se o esperado não aconteceu, tenha fé, pois no amanhecer, você ficará de pé mais uma vez e verá que seus objetivos ainda podem ser alcançados.




"Pov's (1) Renesmee

Meu Deus,que (2) garoto é aquele??.(3) Quase dois metros de altura,corpo musculoso,dentes (2) perfeitos,sorriso(2) perfeitos,olhos (2) perfeitamente escuros e brilhantes.Jacob (2) Black,(2)prepare-se,porque (2) mesmo você não querendo,você (2) vai ser meu.


Pov's (1) Bella

Aí meu Deus do Céu.Quem (2) aquele cara pensa que é.Desde(2) que ele chegou.Ele(2) sismou (4) comigo.Fica (2) tentando me cantar,chamar (2) a minha tenção.Eu (2) até gosto.Mais (2) e (4) Arrrg (5).


Pov's (1) Emma

Aí que gato,Damon Masen. Lindos olhos azuis.Bem que eu queria ficar com ele.Mias Stefan mataria a mim e a ele.


Pov's (1) Elena

OMG (6). Que garoto mais lindo é aquele. Stefan Salvatore. Simplesmente perfeito,corpo (2) perfeito,dentes (2) perfeitos,cabelos (2) perfeitos.Simplesmente (2) perfeito.Um (2) problema,Jacob (2) é muito ciumento.E (2) nunca deixaria eu namorar com ele e nem com ninguém."





1: Isso de POV Fulana, POV Siclana, POV Beltrana não é legal para sua história, e veja por que aqui. Ainda mais quando é “pov's”. Isso não existe. POV é uma sigla para “point of view”, que significa “ponto de vista”. PDV também é aceito em português, como mostra o negrito.

2: A essa altura, não preciso mais reclamar de espaço e pontuação, espero.

3: O que foi isso? Duas interrogações e um ponto final. Como assim, gente? Não usem, por favor.

4: “sismar” não existe. O correto é “cismar”

5: Onomatopeias não são adequadas para livros. Em quadrinhos, sim. Aqui, nem pensar.

6: Eu sei que nesse mundo globalizado quase todo mundo na internet tem uma noção de inglês. Mas custa escrever “Meu Deus”? É mais honesto com seu idioma natal.


Como deveria ser: “Meu deus, que garoto é aquele? Quase dois metros de altura, corpo musculoso, dentes perfeitos, sorriso perfeito, olhos perfeitamente escuros e brilhantes. Jacob Black, prepare-se, porque mesmo não querendo, você vai ser meu.”

“Ai, meu deus do céu. Quem aquele cara pensa que é? Desde que chegou, ele cismou comigo. Fica tentando me cantar, chamar minha atenção. Eu até gosto, mas...”

“Ai, que gato. Damon Masen. Lindos olhos azuis. Bem que eu queria ficar com ele, mas Stefan mataria nós dois.”

“Oh, meu deus. Que garoto lindo é aquele? Stefan Salvatore. Simplesmente perfeito: corpo, dentes, cabelo. Mas Jacob é muito ciumento, e nunca me deixaria namorá-lo ou qualquer outra pessoa.”


"uma empresa mundialmente famosa resolve pegar um personagem de um desenho e fazer um muito soldado só que eles não sabiam que iriam causar a maior destruição."

Não tem maiúscula no início, não tem vírgulas, não tem coerência, só tem palavras desconexas.


Como deveria ser: Uma empresa mundialmente famosa resolve pegar uma personagem de um desenho e fazer um soldado, mas eles não sabiam que isso causaria a maior destruição.



Juro que foi difícil superar os traumas desse post. Faço aqui um pedido: autores, corrijam suas histórias. Pode parecer chatice, implicância, bobagem, mas não é. Ortografia e gramática corretas são o primeiro passo para melhorar a qualidade da escrita. Não necessariamente você precisa de um beta para esta etapa, porque o dever dele não é esse. O Word tem corretor, o Google Chrome tem corretor, o Nyah também tem, por mais simples que eles sejam. A Liga usa e recomenda este, que tem três opções (português de Portugal, brasileiro e espanhol), é inteligente e gratuito. Eu uso o do LibreOffice, a versão Office do Linux, que também me agrada muito.

Corrijam. A Liga agradece.
4

A Liga dos Betas quer saber

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Por: Liga dos betas Team!



Queridos e queridas leitores do blog

Hoje não viemos com algum artigo sobre escritura, mas viemos atrás de VOCÊS!

O team da Liga dos Betas está pensando em reformular o blog. Ja começamos com a mudança do template, com a inserção do processo de admissão aqui (que antes era feito no blog da Cyndi), além de termos inserido o "clube de leitura" que ocorrerá em breve. 

De todas as formas, até o presente momento, todo nosso esforço tem se dado de uma maneira um tanto unilateral, ou seja, as ideias de postagens e a organização do blog saíram totalmente de nossas ideias. Mas nós gostaríamos que houvesse mais participação dos leitores que estão por aqui nos agraciando com o privilégio de suas companhias, ou seja, uma participação maior SUA.

Não sei se vocês sabem, mas quem gostar de escrever artigos e quiser publicar algum artigo no blog que tenha a ver com alguma de nossas categorias, pode fazê-lo mandando um email para o gmail da Liga, depois de haver consultado a aba "Publique aqui no blog". Seria muito bom ter textos de vocês aqui.

Outra coisa, o ask.fm também serve de canal de contato, então se vocês tiverem alguma ideia/sugestão/crítica, não hesitem em nos escrever, afinal, o blog da Liga existe para atender vocês. E o legal do ask é que pode ser tudo feito anonimamente, então realmente não tenham receios em nos comunicar nada. Lembrando, somente, que qualquer comentário ofensivo será deletado. Entre uma crítica e uma ofensa a distância é muito grande.

Mas, além disso, fizemos uma enquete para saber o que vocês estão querendo da Liga e para saber o que vocês estão querendo do blog. Seria de imensa ajuda se vocês votassem e comentassem, de modo que pudéssemos realmente estar alinhados com a necessidade de todos:



O que você quer ver no blog dos betas?
Mais textos de humor
Mais divulgação de fics/ resenhas
Concursos
Desafios/ jogos
Mais posts
Mais suporte ao escritor (especificar nos comentários)
Mais entrevistas com escritores
Mais participação dos leitores e escritores do Nyah (especificar nos comentários)
Textos mais profundos
Mais ajuda na gramática e redação
Mais imagens
Mais dicas de como publicar histórias
Mais interatividade (especificar nos comentários)
Outro (especificar nos comentários)
Está tudo ótimo para mim


Contamos com a ajuda de todo mundo!

Um grande abraço!


8

Como fazer crítica literária: uma proposta

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Por: Fernanda N.



A verdade nua e crua muitas vezes pode doer, mas bem colocada, constrói. Vamos ver qual a melhor forma de fazer uma resenha crítica.

Bom, muitas pessoas, ao lerem “crítica”, já entendem como “apreciação desfavorável”. Mas nem sempre uma crítica vai apresentar apenas o lado negativo da coisa. E nem deve. E é por isso que estamos aqui.

Significado de Resenha de acordo com o dicionário:

s.f. Relação minuciosa.
Enumeração por partes.
Escrito em que se dá uma ideia geral e sumária de uma obra, sem se demorar em apreciações críticas.


Significado de Crítica de acordo com o dicionário:
crítica sf (de crítico) 1 Apreciação minuciosa. 2 Apreciação desfavorável. 3 Censura, maledicência. 4 Discussão para elucidar fatos e textos. 5 Exame do valor dos documentos. 6 Arte ou faculdade de julgar o mérito das obras científicas, literárias e artísticas. 7 Juízo fundamentado acerca de obra científica, literária ou artística. 8 Filos Parte da Filosofia que estuda os critérios. 9 Conjunto dos críticos; sua opinião. C. pessoal: a em que se trata mais do autor que da obra. 


Basicamente, uma crítica vai ser construída em cima da análise do enredo e do que o título sugere à história.


Primeiro: 

Qual o título? Ele faz jus a sua história ou é totalmente desconexo? Ao ler o título, você achou que a história se trataria do que de fato se trata?

Parece que não, mas o título faz toda a diferença. É ele quem vai despertar ou não o interesse do leitor, além de ajustar suas expectativas. E, imagine se o nome do meu livro é “Eu gosto de peixes” E então minha história fala sobre cachorros? O que o leitor ia pensar ao ler o título e depois a história?


Segundo: 

Agora, vamos identificar e analisar os três itens necessários em uma história: Apresentação, clímax e desfecho. Ou artigo: Introdução, desenvolvimento e conclusão.

"Mas o que isso tem a ver?"

Pois, então... Imagina se, por acaso, não existisse algum desses três itens que mencionamos? Não haveria uma sequência de fatos. Ao fazermos uma crítica, temos que analisar parte a parte e depois encaixar esse nem-tão-difícil quebra-cabeça. Não entendeu? Deixa-me explicar melhor: 

Durante a análise, vamos cuidar de ver item por item desses três mencionados, analisar o conteúdo de cada parte do enredo e ver se, de fato, os três encontram-se claramente presentes. Depois, devemos analisar o enredo como uma coisa só, ou seja, devemos ver se há harmonia e conexão ou se está incompreensível.

A história foi bem construída ou houve dificuldade de entendê-la como um todo? Você sentiu ausência de algum ponto necessário? Além disso, observe a construção da cena, dos personagens. Você conseguiu analisar tudo isso e entender completamente?


Terceiro:

Uma coisa também muito importante de analisar é a forma como foi escrito, ou seja, a gramática está de acordo com: 

  • 1. A norma-padrão?

  • 2. A época em que se passa a história?

  • 3. Se narrado em primeira pessoa: está de acordo com a personalidade do personagem?


E o gênero? A história faz jus a ele? 

Enfim, durante todo o processo, escreva um esboço sobre cada tópico, para ter certeza de que não se esqueceu de nada. Depois, é só juntar as ideias e escrever sua resenha. 

Escreva com cuidado, coloque bem suas palavras. Se houve uma falha em algum dos três pontos, aponte-a e explique o que aconteceu de errado. Tenha fontes, base, conhecimento. Não escreva pelo que “você acha”.

Mostre de forma clara cada exigência, mas sem ofender o escritor, e monte sua crítica com base também nesses pré-requisitos que você usou para julgar. 


Atentem-se: crítica literária ≠ opinião


“Será necessário ouvir com atenção e cuidado a saraivada de críticas que for dirigida a você, tente assimilar com cuidado, veja porque está sendo criticado, e tente fazer o melhor sempre.” —Emerson Natal


**** 




Material consultado:

dicionario aurelio
dicio.com.br

Fernanda Norato é beta reader, semi-atriz de teatro e almejante de arquiteta. Moderadora da fan page do Nyah (a page não-oficial) e administradora de seu tumblr (http://more-happiness-more.tumblr.com/).

0


As imagens que servem de ilustração para o posts do blog foram encontradas mediante pesquisa no google.com e não visamos nenhum fim comercial com suas respectivas veiculações. Ainda assim, se estamos usando indevidamente uma imagem sua, envie-nos um e-mail que a retiraremos no mesmo instante. Feito com ♥ Lariz Santana